Universidade de Aveiro disponibiliza mais de 2500 livros sobre África e Oriente

A Universidade de Aveiro, através do projeto “Memória de África e do Oriente”, tem já online mais de 2500 obras, referentes à história dos países de Língua Portuguesa, durante a administração colonial.

14/02/2013

O projeto, que existe desde setembro de 1996, é executado pela Universidade de Aveiro e pelo Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento (CESA) de Lisboa e tem contado com a participação de instituições de Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Goa.

No site, com o endereço http://memoria-africa.ua.pt além de registos bibliográficos para orientação de investigadores e curiosos, estão agora disponíveis e com livre acesso obras digitalizadas que vão desde livros da escola primária do tempo colonial, a relatórios de antigos governadores das então colônias e outros documentos oficiais.

Entre outras “preciosidades” já digitalizadas contam-se os três volumes da “História Geral de Cabo Verde”, várias obras do cientista e poeta cabo-verdiano João Vário, toda a coleção do Boletim Geral das Colónias, a revista do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa de Bissau Soronda (1986-2009), o Boletim Cultural do Huambo em Angola, e “O Oriente Português”, da responsabilidade da Comissão de Arqueologia da Índia Portuguesa, publicado entre 1905 e 1920 e retomado entre 1931 e 1940.

De acordo com Carlos Sangreman, da Universidade de Aveiro, o projeto “Memória de África e do Oriente” em dezembro atingiu 353.991 registos bibliográficos e 343.819 páginas digitalizadas e a base de dados já vai ser acrescentada.

“Temos trabalhado com muitas instituições portuguesas, sendo a ultima a Biblioteca Nacional que nos disponibilizou 67 mil registos que irão ser colocados na base à medida que formos conseguindo compatibilizar o formato”, esclarece aquele responsável.

A “biblioteca digital” permite já ler através da internet obras digitalizadas de Angola, Cabo Verde, Goa, Guiné, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor, acervo que pode ser enriquecido se os particulares que possuem obras em casa facultarem a sua digitalização ou referenciação.

A

A “biblioteca digital” permite já ler através da internet obras digitalizadas de Angola, Cabo Verde, Goa, Guiné, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor.

Fonte: http://observalinguaportuguesa.org/pt

FILOSOFIA PARA TODOS: 95 obras inéditas para download

Segue abaixo lista inédita com mais ou menos 95 obras de filosofia, composta em sua maioria por coletas em nosso grupo(Arquivos Kronos). Agradecemos aos semeadores.

Boa leitura!

https://drive.google.com/folderview?id=0B4UG_F2QeFUlUDEzLVZMUldvX28&usp=sharing

  • AGOSTINHO, Santo. Confissões; De magistro [coleção os pensadores]
  • ALVES, Rubem. Filosofia da ciência
  • BACHELARD, Gaston. A poética do espaço
  • BERLIN, Isaiah. Quatro ensaios sobre a liberdade
  • BONOMI, Andrea. Fenomenologia e estruturalismo
  • BUTLER, Judith. El genero en disputa [español]
  • BUTLER, Judith. Lenguaje, poder e identidad [español]
  • BUTLER, Judith. Marcos de Guerra [español]
  • BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder [español]
  • BUTLER, Judith. Problemas de Genero 1-2
  • BUTLER, Judith. Sujetos del deseo – reflexiones hegelianas en la Francia del siglo XX
  • BUTLER; ATHANASIOU. Dispossession – the performative in the political
  • BUTLER; HABERMAS; TAYLOR. The Power of Religion in the Public Sphere
  • BUTLER; LACLAU; ZIZEK. Contingencia, hegemonia, universalidad
  • BUTLER; SCOTT. Feminists theorize the political
  • CIORAN, Emil. Silogismos da Amargura
  • DAVIDSON, Donald. Ensayos sobre acciones y sucesos
  • DELEUZE, Gilles. Francis Bacon – lógica da sensação
  • DELEUZE; GUATTARI. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, vol. I
  • ENGELS, F. A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado
  • FEUERBACH, L. Princípios da filosofia do futuro
  • FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta – Ensaios para uma futura filosofia da fotografia
  • GAGNEBIN, Jeanne Marie. Historia e narração em Walter Benjamin
  • GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar Escrever Esquecer
  • HAACK, Susan. Filosofia das lógicas
  • HAMLYN, D. Uma história da filosofia ocidental
  • HARDT; NEGRI. Império
  • HEGEL, G. Enciclopedia de las ciencias filosóficas [español]
  • HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. Tomo I
  • HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. Tomo II
  • HUME, D. Resumo de um tratado da natureza humana
  • HYPPOLITE, Jean. Ensaios de Psicanálise e Filosofia
  • KANT, I. A paz perpétua
  • KENNY, Anthony. História Concisa da Filosofia Ocidental
  • KIERKEGAARD, Sören. El concepto de la angustia
  • KOJÈVE, A. Introducao a leitura de Hegel
  • KONDER, Leandro. Hegel – a razão quase enlouquecida
  • LATOUR, Bruno. A vida de laboratório
  • LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista
  • LUKÁCS, G. The sociology of modern drama
  • MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e a filosofia
  • MARCONDES, Danilo. Introdução à história da filosofia
  • MARCUSE, Herbert. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna
  • MARX, Karl. A ideologia alemã (boitempo)
  • MARX, Karl. Diferencia general entre filosofia democritea y epicurea de la naturaleza [Tese de Doutorado 1841]
  • MARX, Karl. O capital
  • MARX, Karl. Sobre a questão judaica
  • MÉSZÁROS, István. A Atualidade Histórica da Ofensiva Socialista
  • MÉSZÁROS, István. A Educação Para Além do Capital
  • MÉSZÁROS, István. A Necessária Reconstituição da Dialética Histórica
  • MÉSZÁROS, István. A Obra de Sartre
  • MÉSZÁROS, István. Aspects of History and Class Consciousness
  • MÉSZÁROS, István. Bolívar and Chávez – The Spirit of Radical Determination
  • MÉSZÁROS, István. Crise Estrutural Necessita de Mudança Estrutural
  • MÉSZÁROS, István. El Desafio y La Carga Del Tiempo Histórico
  • MÉSZÁROS, István. Entrevista – Marxismo, sistema do Capital e Socialismo Hoje
  • MÉSZÁROS, István. Filosofia, Ideologia e Ciência Social
  • MÉSZÁROS, István. Lukács Concept of Dialectic
  • MÉSZÁROS, István. O Desafio e o Fardo do Tempo Histórico – Conferência
  • MÉSZÁROS, István. O Século XXI – Socialismo ou barbárie
  • MÉSZÁROS, István. Para Além do Capital
  • MÉSZÁROS, István. Reflections on the New Internacional
  • MÉSZÁROS, István. Socialismo o Barbarie
  • MÉSZÁROS, István. Structural Crisis Needs Structural Change
  • MÉSZÁROS, István. The Challenge and Burden of Historical Time
  • MÉSZÁROS, István. The Communal System and the Principle of Self Critique
  • MÉSZÁROS, István. The Dialectic of Structure and History – An Introduction
  • MÉSZÁROS, István. The Work of Sartre
  • MILL, John Stuart. Princípios de Economia Política – Vol I
  • MUSSE; LOUREIRO. Capítulos do marxismo ocidental
  • NIETZSCHE, F. A filosofia na época trágica dos gregos
  • NIETZSCHE, F. A filosofia na idade trágica dos gregos
  • NIETZSCHE, F. A visão dionisíaca do mundo
  • NIETZSCHE, F. Escritos de Retórica
  • NIETZSCHE, F. Introdução à tragédia de Sófocles
  • NIETZSCHE, F. Sobre verdade e mentira
  • NIGRO, Rachel. A virada linguistico pragmatica e o pós-positivismo
  • PALMER, R. Hermeneutica
  • PELBART, Peter. O avesso do niilismo cartografias do esgotamento
  • RANCIÈRE, J. A ficção documental
  • RANCIÈRE, J. Aisthesis. Scenes from the Aesthetic Regime of Art
  • RANCIÈRE, J. Momentos politicos
  • RUSSELL, Bertrand. El ABC de la relatividad
  • RUSSELL, Bertrand. Funções de um professor
  • RUSSELL, Bertrand. Mysticism and logic and other essays
  • RUSSELL, Bertrand. Our knowledge of the external world
  • RUSSELL, Bertrand. The conquest of happiness
  • SAFATLE, V. Curso sobre Hegel
  • SIMONDON, G. A gênese do indivíduo
  • SLOTERDIJK, Peter. Critica de la razon cinica
  • SLOTERDIJK, Peter. Mobilização copernicana e desarmamento ptolomaico
  • SLOTERDIJK, Peter. O desprezo das massas
  • SLOTERDIJK, Peter. Regras para o parque humano (uma resposta à carta de Heidegger)
  • SLOTERDIJK, Peter. Temperamentos filosóficos – de Platón a Foucault
  • SLOTERDIJK, Peter. Textos
  • UHLMANN, Günter Wilhelm. Teoria geral dos sistemas

Fonte: http://sociedadedospoetasamigos.blogspot.com.br/2015/03/filosofia-95-obras-ineditas-para.html

 

Imaginário e Literatura: livros que valorizam a cultura brasileira e africana

Conheça mais sobre essa cultura tão presente no nosso imaginário

 

Literaturas que valorizam a diversidade étnica e cultural afro-brasileira e africana são uma ótima alternativa para abordar os conteúdos exigidos pela lei 10.639, que obriga o ensino da “História e Cultura afro-brasileira e africana” nas escolas de Ensino Fundamental e Médio das redes pública e privada de todo Brasil.

Veja 14 dicas de livros recomendados para pais, filhos e professores sobre o tema. Confira também o índice de autores negros do Literafro, portal de estudos de literatura afro-brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para ler, clique nos itens abaixo:

1. Menina Bonita do Laço de Fita – Ana Maria Machado
A autora coloca em cena, através da história de um coelho branco que se apaixona por uma menina negra, alguns assuntos muito debatidos nos dias de hoje, como a auto-estima das crianças negras e a igualdade racial.
2. Luana, A Menina Que Viu O Brasil Neném – Oswaldo Faustino, Arthur Garcia e Aroldo Macedo
O livro conta a história de Luana, uma menina de 8 anos que adora lutar capoeira, e a historia do descobrimento do Brasil. Ao lado de seu berimbau mágico, ela leva o leitor a outras épocas e lugares e mostra o quão rica é a cultura brasileira, além da importância das diferentes etnias existentes por aqui.
3. O Menino Marrom – Ziraldo
O Menino Marrom conta a historia da amizade entre dois meninos, um negro e um branco. Através da convivência aventureira dessas crianças ao longo de suas vidas, o autor pontua as diferenças humanas, realçando os preconceitos em alguns momentos.
4. Lendas da África – Júlio Emílio Brás
O livro mostra fábulas tipicamente africanas para leitores de todo mundo. Nas histórias, o autor mostra um pouco do folclore africano, além de passar valores do “tempo em que os animais ainda falavam” para as crianças.
5. Terra Sonâmbula – Mia Couto
Primeiro livro do autor africano, Terra Sonâmbula foi considerado um dos doze melhores romances do continente no século 20. Numa estória emocionante sobre o encontro de um menino sem memória e um velhinho meio perdido pelo mundo, Mia Couto mistura símbolos tradicionais da cultura e da história moçambicana.
6. Meu avô um escriba – Oscar Guelli
A história se passa na África, mais precisamente no Egito. O pequeno Tatu é neto de um escriba. A convivência com o avô permitirá ao menino aprender cálculos, a ter contato com tradições mais antigas de seu país e a se preparar para também ser um escriba um dia.
7. O Cabelo de Lelê – Valéria Belém
Lelê é uma linda menininha negra, que não gosta do seu cabelo cheio de cachinhos. Um dia, através de um fantástico livro, começa a entender melhor a origem de seu cabelo e, assim, passa a valorizar o seu tipo de beleza.
8. A varanda Do Frangipani – Mia Couto
O romance policial moçambicano é marcado por palavras criadas pelo próprio autor, nascido no país onde se passa a trama. A história conta sobre o violento colonialismo em Moçambique e a superação do país a partir dessa cicatriz histórica.
9. Bia na África – Ricardo Dregher
O livro é parte da coleção “Viagens de Bia”. Nessa estória, Bia viaja por diferentes países da África, como Egito, Quênia e Angola. Na aventura, a garotinha conhece, entre outras curiosidades, a história do povo árabe e dos nossos antepassados negros, que vieram como escravos da África para o Brasil há muitos anos.
10. Avódezanove e o segredo do soviético – Ondjaki
Em Luanda, capital da Angola, África, as obras de um mausoléu realizadas por soldados soviéticos ameaçam desalojar morados da PraiaDoBispo, bairro da região. As crianças do bairro percebem as mudanças com olhares desconfiados. Talvez elas sejam as primeiras a perceber que a presença dos soldados soviéticos significa mais do que uma simples reforma espacial.
11. Tudo Bem Ser Diferente – Todd Parr
A obra ensina as crianças a cultivar a paz e os bons sentimentos. O autor lida com as diferenças entre as pessoas de uma maneira divertida e simples, abordando assuntos que deixam os adultos sem resposta, como adoção, separação de pais, deficiências físicas e preconceitos raciais.
12. Diversidade – Tatiana Belinky
O livro mostra, através de versos, porque é importante sermos todos diferentes. A autora fala que não basta reconhecer que as pessoas não são iguais, é preciso saber respeitar as diferenças.
13. Num tronco de Iroko vi a Iúna cantar – Erika Balbino
Acompanhando as aventuras dos irmãos Cosme, Damião e Doum e seus amigos, os leitores entram em uma jornada que revela a relação do corpo com a música e aproxima as crianças da capoeira por meio de figuras lendárias das religiões de matriz africana. Além do enredo e das ilustrações do grafiteiro Alexandre Keto, um CD com a narração da história pela própria autora e cheio de cantos de capoeira e de Umbanda valorizam ainda mais essa luta, que é apresentada como dança, arte e jogo também.
14. Amanhecer Esmeralda – Ferréz
O livro conta a história da garota Manhã, negra, pobre e com grandes responsabilidades mesmo com tão pouca idade. Manhã tem sua vida transformada ao ganhar um vestido esmeralda de seu professor, que faz com que ela mude a forma como se vê e como vê o mundo ao seu redor.

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/12-dicas-literatura-afro-brasileira-africana-729395.shtml

Festa cultural: moqueca de bagre, viola, cavaco e orquestra!

Homenagem da Clínica do Texto & informação aos educadores e músicos populares que acreditam na magia transformadora da Arte na vida das pessoas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Galeria de imagens da festa cultural, 23 de novembro de 2013.

Ontem, dia 23 de novembro de 2013, realizamos uma maravilhosa Festa de Confraternização na casa dos amigos Valter Souza e Nilva Luz. No cardápio, saboreamos uma iguaria preparada pelo casal: Moqueca de Bagre – Um primor! Muita alegria, entusiasmo e energia positiva emanaram das improvisações musicais, danças, rodas e repentes que iluminaram a festa. Estiveram presentes artistas, músicos, poetas, compositores, violeiros, arte-educadores e amantes da cultura popular – um retrato metonímico da alma e cultura brasileiras – momentos inesquecíveis ao lado de Wilson Rocha E Silva, Vanessa Viotti, Estação Memória Camburi, Josevania Núñez Ibanhez, Bruna e Jean, Norberto e Silvia, entre outros.

Não faltou AXÉ, por isso compartilhamos com todos que gostam de música, arte e folia!

Lançamento do livro “O negro nos espaços publicitários brasileiros”

Os professores Leandro  Leonardo Batista, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP-ECA-USP)  e  Francisco Leite, lançam no próximo dia 25 o livro O negro nos espaços publicitários brasileiros: perspectivas contemporâneas em diálogo.  A obra é fruto da parceria entre Coordenadoria dos Assuntos da População Negra (CONE), da Prefeitura de São Paulo e da Escola de Comunicações e Artes (USP).
As abordagens do livro têm como proposta discutir e analisar criticamente o papel, os espaços e os efeitos operados pela publicidade para a reprodução, reforço e sedimentação de conteúdos negativos acerca do estereótipo da categoria social Negro, como também apresentar as tendências que estão surgindo no campo publicitário para combater o racismo em todas as suas nuanças e margens de manifestação.
Na oportunidade será realizado o painel Os Desafios para a Abordagem do Negro na Publicidade Brasileira com participação dos autores da obra. O evento é aberto  a comunidade.
A inscrição é gratuita e deve ser realizada até o dia 20/11, pelo e-mail usp.prefeitura@gmail.com. O livro será distribuído a todos os participantes inscritos.
O evento será transmitido ao vivo pela internet no blog do evento: http://onegronapublicidade.wordpress.com.
Data: 25/11/2011
Horário: 17h
Local: Teatro Camargo Guarnieri. Rua do Anfiteatro, 109, Cidade Universitária, São Paulo.

Os Desafios para a Abordagem do Negro na Publicidade Brasileira

Saiba mais, acessando o link: http://onegronapublicidade.wordpress.com/

6a. edição Prêmio Vivaleitura 2011: inscrições abertas… Participe!

Estão abertas as inscrições para a 6ª edição do Prêmio Vivaleitura. Integrado ao Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), o prêmio foi criado em 2006 por iniciativa do Ministério da Educação (MEC), do Ministério da Cultura (MinC) e da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), e é realizado e patrocinado pela Fundação Santillana, com apoio do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação).

O programa prevê edições anuais que devem acontecer até 2016 e tem por objetivo promover a leitura no país, sendo considerado a maior premiação individual de reconhecimento à leitura no Brasil.

Os interessados em participar podem se inscrever em 3 categorias: Bibliotecas públicas, privadas e comunitárias; Escolas públicas e privadas; e Sociedade (ONGs, pessoas físicas, pessoas jurídicas, instituições de ensino superior, instituições sociais e empresas públicas ou privadas), sendo esta última passível de outorgar “Menção Honrosa” a instituições públicas ou privadas que se adequem aos critérios presentes no regulamento do programa.

Este ano as inscrições permanecem abertas até o dia 20 de julho.

O processo de seleção dos vencedores levará em conta a clareza entre os objetivos e os resultados alcançados, adequação do trabalho à idade do público alvo, pertinência do projeto com as características da comunidade a que se destina, qualidade, criatividade e potencial de replicabilidade.

Mais informações sobre o regulamento e a forma de inscrição podem ser obtidas no site http://www.premiovivaleitura.org.br.

O livro, esse objeto de estudo

Recém-criado Núcleo de Estudos do Livro e da Edição, o Nele, lança revista que trata das várias configurações do livro, tanto como objeto de prazer cultural como, principalmente, tema de estudos

MARCELLO ROLLEMBERG

Criado recentemente, o Núcleo de Estudos do Livro e da Edição (Nele) da Escola de Comunicações e Artes (ECA), visa a ser, no ambiente universitário, uma espécie de “laboratório” no qual o livro e todas as suas ramificações editoriais sejam, além de um objeto de prazer cultural, também um objeto de estudo. A ideia é pertinente, posto que nesses tempos de comunicação eletrônica e tablets se tornou quase um clichê a discussão sobre o fim do livro em seu suporte de papel.

Livro: além de um objeto de prazer cultural, também um objeto de estudo

O Nele, então, surge justamente numa quase contramão dessa discussão bizantino-tecnológica, mas com uma função essencial e, por assim dizer, up to date, posto que pretende encerrar discussões as mais contemporâneas – por mais que trate, muitas vezes, do passado e da história da edição. Mas, como já se escreveu (e não foi num post), é preciso compreender o passado para se projetar o futuro. É justamente dentro desse quadro que acaba de ser lançada a revista Livro, o primeiro fruto do núcleo. A revista é, segundo seus editores, os professores Plinio Martins Filho e Marisa Midori Deaecto, ambos do curso de Editoração da ECA, o resultado de “um esforço coletivo de professores e pesquisadores no sentido de materializar um fórum aberto à reflexão, ao debate e à difusão de pesquisas que têm na palavra impressa seu objeto principal”.

A Livro, que foi lançada oficialmente no último dia 5 durante o evento Os Poderes do Livro, na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, pretende cobrir, por meio de seus artigos, todo o “ciclo de vida da comunicação impressa” – uma expressão cunhada pelo historiador do livro e da leitura Robert Darnton, um dos maiores especialistas mundiais sobre o tema. Em suas pouco mais de 200 páginas (algumas delas ilustradas com trabalhos do artista Hélio Cabral), a revista apresenta seções como Leituras – que traz quatro artigos acerca do hábito de ler em seus mais distintos matizes, e na qual se destacam os textos “Leituras de presença e ausência”, da professora Jerusa Pires Ferreira, e “Leituras da época do modernismo”, de Ruy Galvão de Andrada Coelho –, “Acervo”, “Almanaque” e “Bibliomania”, além de apresentar uma crônica bem-humorada de Olavo Bilac acerca do trabalho e do papel social dos “homens de letras”. “Fantasio” – título do texto bilaquiano – foi garimpado nos arquivos do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) pelo professor Antonio Dimas.

Dossiês – Em meio a tantos artigos de fôlego, a revista, na verdade, terá um carro-chefe: a sua seção Dossiê, que a cada número apresentará uma série de estudos voltados para uma temática ou um evento que marcou data entre os estudiosos do livro. Nesse número de estreia, o dossiê é Paris-Bucarest. “Trata-se da recolha sumária, porém significativa, da produção apresentada em dois importantes colóquios realizados em setembro de 2010”, escrevem os editores na apresentação da revista.

“O Encontro de Paris reuniu pesquisadores franceses, portugueses e brasileiros, tendo resultado em importante projeto de cooperação internacional apresentado no final da seção. O simpósio promovido pela Biblioteca Metropolitana de Bucarest se apresentou como verdadeiro fórum internacional de pesquisa, no qual foram discutidas questões voltadas ao Livro, à Escrita e à Leitura, em diversos domínios do conhecimento.” Nesse dossiê inaugural são apresentados cinco textos, entre eles “A evolução do sistema editorial francês desde a Enciclopédia de Diderot”, do pesquisador francês Jean-Yves Mollier, e “A circulação transatlântica dos impressos: a globalização da cultura no século XIX”, da estudiosa brasileira Márcia Abreu.
O que Livro e o núcleo que a gerou, o Nele, desejam, de fato, não é cerrar fileiras contra aqueles que apregoam o fim do livro como o conhecemos, mas sim mostrar como a convivência pode ser harmoniosa entre os suportes, sem que seja necessário se engendrar uma cruzada livresca. É como escrevem seus editores: “Podemos dizer que o objetivo maior de Livro reside na valorização do suporte impresso diante das mudanças a que temos assistido no campo da produção editorial. A convivência de diferentes suportes de leitura, de natureza totalmente distintas, algo impensável nos primeiros quinhentos anos que marcaram a era de Gutenberg, trouxe à tona uma série de questionamentos concernentes ao direito autoral, às formas de circulação do texto, às práticas de leitura em multimeios, às políticas educacionais etc.

De fato, o advento do texto digital abriu novas possibilidades às velhas formas de transmissão da linguagem escrita e de conservação de seu registro”. E Plinio Martins Filho e Marisa Midori concluem, em seu texto de apresentação à revista: “Todavia, poder-se-ia dizer que à anunciada morte do livro somaram-se vozes que bradaram por sua sobrevivência, em acalorada declaração de amor aos já velhos e surrados códices”.

Fonte: http://espaber.uspnet.usp.br/jorusp/?p=15270