Oficina de Fotografia: ação cultural no Cambury

 

A Clínica do Texto e a Estação Memória Cambury têm o prazer de compartilhar o BELÍSSIMO TRABALHO COLABORATIVO E EDUCATIVO desenvolvido pela Equipe do Mundo em Foco, ao longo de uma semana no Quilombo do Cambury (8 a 12 Julho), com a participação de jovens, crianças – caiçaras e quilombolas.

O trabalho foi fruto da Campanha: http://benfeitoria.com/clicknalata.-

Veja os detalhes no site: http://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/.

Saiba mais sobre o Projeto Click na Lata que concretizou a contento, a Oficina de Fotografia Pinhole no Quilombo do Cambury.

Parabéns a todos os protagonistas!!!

Exposição de Fotografias - http://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/2013/07/14/oficina-de-fotografia-pinhole-no-cambury-resultados/

 

 

Anúncios

Produtos culturais: Oficina de Memória e Xilogravura, Cambury

Ação cultural agita a semana de CONSCIÊNCIA NEGRA em Cambury

O mês de novembro foi bastante movimentado no espaço cultural do Quilombo do Cambury. Entre os dias 15 e 20 de novembro, aconteceu a Segunda Edição das OFICINAS DE MEMÓRIA E XILOGRAVURA, na Escolinha Jambeiro, localizada na sede da Associação Quilombola de Cambury – Ubatuba, SP.

As atividades pedagógicas foram preparadas com antecedência e fizeram parte de uma ação cultural mais ampla, com o intuito de comemorar o Dia Nacional da Consciência Negra e a inauguração do novo espaço físico da Escolinha Jambeiro, que foi reformada com a ajuda e o entusiasmo de três jovens quilombolas (Ueliton, Alex e Vaguinho); a verba do MinC previa a renovação do telhado, a reforma da cozinha, acabamento e pintura novos.

As “Oficinas de Memória: Arte, Cultura e Informação” são práticas infoeducativas que visam a estimular a interação, o diálogo e a aprendizagem de novos saberes entre idosos e crianças. O evento, aberto ao público em geral, contou com a participação de vários educadores (Valter, Wilson, Renata, Otávio e Edison), que trocaram experiências e saberes com os jovens (quilombolas e caiçaras), visitantes e outros amigos da comunidade quilombola de Cambury.

O dia 15 de novembro foi reservado para a preparação do ESPAÇO INFOEDUCATIVO, organização de mesas, cadeiras, materiais pedagógicos, telão para projeção de audiovisual, lousa, mural de fotografias, livros, internet, entre outros recursos, que deveriam ficar à disposição dos participantes. Nesse mesmo dia, à tarde, o Sr. Salustiano (68 anos, pescador, agricultor e quilombola) gravou depoimento, contando algumas histórias, passagens de sua vida e outras curiosidades do tempo em que largou a roça para trabalhar na indústria da pesca. No dia 16 de novembro foi exibido o filme Canoa caiçara.

Assista o filme – http://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/historia/fazendo-canoa/

Com dez anos de experiência na arte de fazer e de ensinar Xilogravura, o educador Valter Luz deu início às Oficinas, enfatizando a importância dos relatos orais dos idosos, os fazeres tradicionais, pesca, artesanato, casa de farinha, canoa caiçara etc., para em seguida dar início à Jornada Cultural, com a Oficina de desenho básico: http://estacaomemoriacamburi.wordpress.com/cursosoficinas/desenho/.

Oficina de xilogravura: gravação e impressão

Houve contação da história da xilogravura e apresentação dos materiais usados nesta técnica. Os participantes foram orientados a buscar inspiração nas referências locais: paisagens, fauna, flora, seres humanos em suas ações e objetos que manipulam, utilizando as noções de desenho básico, desenvolvidas na oficina anterior. Mais detalhes da Oficina de Xilogravura podem ser obtidos nos links:

  • Galeria de imagens: registros visuais – (em breve)

Diálogo com a música: construindo instrumentos a partir de materiais recicláveis

Aconteceu a atividade, e as crianças participaram, embora fossem poucas. Embora pareça desimportante, a construção do Kazu, um brinquedo simples, de garrafa pet e saco plástico, tem importância e simbologia marcantes: por um lado se lida com o reaproveitamento de materiais descartados; por outro, remete aos sons da boca: fala, expressão, opinião. Indicadores disso foram a timidez, a princípio: as crianças e os jovens ficaram acanhadas para tirar sons quando estavam perto de nós e dos (das) colegas, mas em casa, ou sozinhas, aventuraram, aprenderam, e, melhor: voltaram para dar retorno, mostrar que aprenderam. Num próximo encontro podemos mostrar que é possível criar pequenas peças musicais, improvisando, com os Kazus, sonoridades que constroem músicas experimentais muito ricas. Mas o resultado será mais eficaz se nós, educadores, fizermos isso juntos, antes; pois, o maior aprendizado se dá sempre pelo exemplo. (relato de Wilson Rocha, músico e educador, 27.11.2012)

DEPOIMENTO

A visita ao Quilombo de Cambury foi muito importante: conheci um pouco a realidade daquela comunidade, desde o lado bom de viverem em plena natureza, até as dificuldades de falta de água e outros recursos, naturais, financeiros, e relativos a educação, saúde etc.

Achei importante haver ali a Escola Jambeiro, com toda uma estrutura de acesso à internet e aprendizado de informática, filmes, vídeos e discos à mancheia: não vi muitos livros, e isso é necessário. Proponho que na próxima visita façamos uma doação de livros, para a Escolinha Jambeiro ou diretamente para as famílias – ou para ambas.

Vamos pensar também na alfabetização. Mesmo que não seja possível a frequência de aulas, dá pra fazer instalações, afixar cartazes, atribuir/delegar atividades aos jovens que estudam, para que ajudem os demais a lerem. (Wilson Rocha, músico e educador)

Ao final dos trabalhos, houve a exposição dos produtos culturais:

Arca das Letras inicia campanha de arrecadação de livros no Distrito Federal

O Programa de bibliotecas rurais Arca das Letras do Ministério do Desenvolvimento Agrário inicia campanha de arrecadação de livros no Distrito Federal. O ponto de partida é o Centro Educacional Sagrada Família, na 906 Norte. O colégio já realiza a campanha solidária com os 900 alunos desde 2005, sendo reconhecido como Escola Amiga da Biblioteca Rural, por ajudar, com as doações e com  a implantação de bibliotecas no campo. A campanha será realizada do dia 21/10 até o dia 19/11.

São esperadas doações de livros didáticos, literatura para crianças, jovens e adultos, livros sobre saúde, meio ambiente, cartilhas sobre produção rural, artesanato, receitas culinárias e gibis. A arrecadação vai garantir a implantação de mais bibliotecas no meio rural e ampliar acervos já em funcionamento no País.

Cada biblioteca é composta por cerca de 230 livros e gibis. As comunidades escolhem os assuntos que formam os acervos, o local onde a biblioteca é instalada e indicam os moradores que serão os agentes de leitura, após  capacitação feita pela equipe técnica do Programa Arca das Letras.

O Arca das Letras possui uma rede de parceiros, como o Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação/FNDE/MEC, o Ministério da Cultura, o Programa Luz para Todos, o Ministério da Justiça/Departamento Penitenciário Nacional, Banco do Brasil; também Estados, municípios, e movimentos sociais e sindicais de trabalhadores rurais, além de artistas, editoras e escritores.

Durante a 29ª Feira do Livro de Brasília vários escritores doaram seus livros, entre eles Luís Turiba, Angélica Torres, Nicolas Behr, Cristiane Sobral e Amneres.

As escolas interessadas em participar da campanha devem entrar em contato com o Programa Arca das Letras, para que a coordenação possa planejar as atividades de mobilização com os estudantes.

Contatos:
Arca das Letras: (61) 2020-0201 – arcadasletras@mda.gov.br

Fonte: http://www.mda.gov.br/portal/noticias/item?item_id=5725906