Imaginário e Literatura: livros que valorizam a cultura brasileira e africana

Conheça mais sobre essa cultura tão presente no nosso imaginário

 

Literaturas que valorizam a diversidade étnica e cultural afro-brasileira e africana são uma ótima alternativa para abordar os conteúdos exigidos pela lei 10.639, que obriga o ensino da “História e Cultura afro-brasileira e africana” nas escolas de Ensino Fundamental e Médio das redes pública e privada de todo Brasil.

Veja 14 dicas de livros recomendados para pais, filhos e professores sobre o tema. Confira também o índice de autores negros do Literafro, portal de estudos de literatura afro-brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para ler, clique nos itens abaixo:

1. Menina Bonita do Laço de Fita – Ana Maria Machado
A autora coloca em cena, através da história de um coelho branco que se apaixona por uma menina negra, alguns assuntos muito debatidos nos dias de hoje, como a auto-estima das crianças negras e a igualdade racial.
2. Luana, A Menina Que Viu O Brasil Neném – Oswaldo Faustino, Arthur Garcia e Aroldo Macedo
O livro conta a história de Luana, uma menina de 8 anos que adora lutar capoeira, e a historia do descobrimento do Brasil. Ao lado de seu berimbau mágico, ela leva o leitor a outras épocas e lugares e mostra o quão rica é a cultura brasileira, além da importância das diferentes etnias existentes por aqui.
3. O Menino Marrom – Ziraldo
O Menino Marrom conta a historia da amizade entre dois meninos, um negro e um branco. Através da convivência aventureira dessas crianças ao longo de suas vidas, o autor pontua as diferenças humanas, realçando os preconceitos em alguns momentos.
4. Lendas da África – Júlio Emílio Brás
O livro mostra fábulas tipicamente africanas para leitores de todo mundo. Nas histórias, o autor mostra um pouco do folclore africano, além de passar valores do “tempo em que os animais ainda falavam” para as crianças.
5. Terra Sonâmbula – Mia Couto
Primeiro livro do autor africano, Terra Sonâmbula foi considerado um dos doze melhores romances do continente no século 20. Numa estória emocionante sobre o encontro de um menino sem memória e um velhinho meio perdido pelo mundo, Mia Couto mistura símbolos tradicionais da cultura e da história moçambicana.
6. Meu avô um escriba – Oscar Guelli
A história se passa na África, mais precisamente no Egito. O pequeno Tatu é neto de um escriba. A convivência com o avô permitirá ao menino aprender cálculos, a ter contato com tradições mais antigas de seu país e a se preparar para também ser um escriba um dia.
7. O Cabelo de Lelê – Valéria Belém
Lelê é uma linda menininha negra, que não gosta do seu cabelo cheio de cachinhos. Um dia, através de um fantástico livro, começa a entender melhor a origem de seu cabelo e, assim, passa a valorizar o seu tipo de beleza.
8. A varanda Do Frangipani – Mia Couto
O romance policial moçambicano é marcado por palavras criadas pelo próprio autor, nascido no país onde se passa a trama. A história conta sobre o violento colonialismo em Moçambique e a superação do país a partir dessa cicatriz histórica.
9. Bia na África – Ricardo Dregher
O livro é parte da coleção “Viagens de Bia”. Nessa estória, Bia viaja por diferentes países da África, como Egito, Quênia e Angola. Na aventura, a garotinha conhece, entre outras curiosidades, a história do povo árabe e dos nossos antepassados negros, que vieram como escravos da África para o Brasil há muitos anos.
10. Avódezanove e o segredo do soviético – Ondjaki
Em Luanda, capital da Angola, África, as obras de um mausoléu realizadas por soldados soviéticos ameaçam desalojar morados da PraiaDoBispo, bairro da região. As crianças do bairro percebem as mudanças com olhares desconfiados. Talvez elas sejam as primeiras a perceber que a presença dos soldados soviéticos significa mais do que uma simples reforma espacial.
11. Tudo Bem Ser Diferente – Todd Parr
A obra ensina as crianças a cultivar a paz e os bons sentimentos. O autor lida com as diferenças entre as pessoas de uma maneira divertida e simples, abordando assuntos que deixam os adultos sem resposta, como adoção, separação de pais, deficiências físicas e preconceitos raciais.
12. Diversidade – Tatiana Belinky
O livro mostra, através de versos, porque é importante sermos todos diferentes. A autora fala que não basta reconhecer que as pessoas não são iguais, é preciso saber respeitar as diferenças.
13. Num tronco de Iroko vi a Iúna cantar – Erika Balbino
Acompanhando as aventuras dos irmãos Cosme, Damião e Doum e seus amigos, os leitores entram em uma jornada que revela a relação do corpo com a música e aproxima as crianças da capoeira por meio de figuras lendárias das religiões de matriz africana. Além do enredo e das ilustrações do grafiteiro Alexandre Keto, um CD com a narração da história pela própria autora e cheio de cantos de capoeira e de Umbanda valorizam ainda mais essa luta, que é apresentada como dança, arte e jogo também.
14. Amanhecer Esmeralda – Ferréz
O livro conta a história da garota Manhã, negra, pobre e com grandes responsabilidades mesmo com tão pouca idade. Manhã tem sua vida transformada ao ganhar um vestido esmeralda de seu professor, que faz com que ela mude a forma como se vê e como vê o mundo ao seu redor.

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/12-dicas-literatura-afro-brasileira-africana-729395.shtml

Anúncios

Lançamento do livro “O negro nos espaços publicitários brasileiros”

Os professores Leandro  Leonardo Batista, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP-ECA-USP)  e  Francisco Leite, lançam no próximo dia 25 o livro O negro nos espaços publicitários brasileiros: perspectivas contemporâneas em diálogo.  A obra é fruto da parceria entre Coordenadoria dos Assuntos da População Negra (CONE), da Prefeitura de São Paulo e da Escola de Comunicações e Artes (USP).
As abordagens do livro têm como proposta discutir e analisar criticamente o papel, os espaços e os efeitos operados pela publicidade para a reprodução, reforço e sedimentação de conteúdos negativos acerca do estereótipo da categoria social Negro, como também apresentar as tendências que estão surgindo no campo publicitário para combater o racismo em todas as suas nuanças e margens de manifestação.
Na oportunidade será realizado o painel Os Desafios para a Abordagem do Negro na Publicidade Brasileira com participação dos autores da obra. O evento é aberto  a comunidade.
A inscrição é gratuita e deve ser realizada até o dia 20/11, pelo e-mail usp.prefeitura@gmail.com. O livro será distribuído a todos os participantes inscritos.
O evento será transmitido ao vivo pela internet no blog do evento: http://onegronapublicidade.wordpress.com.
Data: 25/11/2011
Horário: 17h
Local: Teatro Camargo Guarnieri. Rua do Anfiteatro, 109, Cidade Universitária, São Paulo.

Os Desafios para a Abordagem do Negro na Publicidade Brasileira

Saiba mais, acessando o link: http://onegronapublicidade.wordpress.com/

6a. edição Prêmio Vivaleitura 2011: inscrições abertas… Participe!

Estão abertas as inscrições para a 6ª edição do Prêmio Vivaleitura. Integrado ao Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), o prêmio foi criado em 2006 por iniciativa do Ministério da Educação (MEC), do Ministério da Cultura (MinC) e da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), e é realizado e patrocinado pela Fundação Santillana, com apoio do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação) e da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação).

O programa prevê edições anuais que devem acontecer até 2016 e tem por objetivo promover a leitura no país, sendo considerado a maior premiação individual de reconhecimento à leitura no Brasil.

Os interessados em participar podem se inscrever em 3 categorias: Bibliotecas públicas, privadas e comunitárias; Escolas públicas e privadas; e Sociedade (ONGs, pessoas físicas, pessoas jurídicas, instituições de ensino superior, instituições sociais e empresas públicas ou privadas), sendo esta última passível de outorgar “Menção Honrosa” a instituições públicas ou privadas que se adequem aos critérios presentes no regulamento do programa.

Este ano as inscrições permanecem abertas até o dia 20 de julho.

O processo de seleção dos vencedores levará em conta a clareza entre os objetivos e os resultados alcançados, adequação do trabalho à idade do público alvo, pertinência do projeto com as características da comunidade a que se destina, qualidade, criatividade e potencial de replicabilidade.

Mais informações sobre o regulamento e a forma de inscrição podem ser obtidas no site http://www.premiovivaleitura.org.br.

O livro, esse objeto de estudo

Recém-criado Núcleo de Estudos do Livro e da Edição, o Nele, lança revista que trata das várias configurações do livro, tanto como objeto de prazer cultural como, principalmente, tema de estudos

MARCELLO ROLLEMBERG

Criado recentemente, o Núcleo de Estudos do Livro e da Edição (Nele) da Escola de Comunicações e Artes (ECA), visa a ser, no ambiente universitário, uma espécie de “laboratório” no qual o livro e todas as suas ramificações editoriais sejam, além de um objeto de prazer cultural, também um objeto de estudo. A ideia é pertinente, posto que nesses tempos de comunicação eletrônica e tablets se tornou quase um clichê a discussão sobre o fim do livro em seu suporte de papel.

Livro: além de um objeto de prazer cultural, também um objeto de estudo

O Nele, então, surge justamente numa quase contramão dessa discussão bizantino-tecnológica, mas com uma função essencial e, por assim dizer, up to date, posto que pretende encerrar discussões as mais contemporâneas – por mais que trate, muitas vezes, do passado e da história da edição. Mas, como já se escreveu (e não foi num post), é preciso compreender o passado para se projetar o futuro. É justamente dentro desse quadro que acaba de ser lançada a revista Livro, o primeiro fruto do núcleo. A revista é, segundo seus editores, os professores Plinio Martins Filho e Marisa Midori Deaecto, ambos do curso de Editoração da ECA, o resultado de “um esforço coletivo de professores e pesquisadores no sentido de materializar um fórum aberto à reflexão, ao debate e à difusão de pesquisas que têm na palavra impressa seu objeto principal”.

A Livro, que foi lançada oficialmente no último dia 5 durante o evento Os Poderes do Livro, na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, pretende cobrir, por meio de seus artigos, todo o “ciclo de vida da comunicação impressa” – uma expressão cunhada pelo historiador do livro e da leitura Robert Darnton, um dos maiores especialistas mundiais sobre o tema. Em suas pouco mais de 200 páginas (algumas delas ilustradas com trabalhos do artista Hélio Cabral), a revista apresenta seções como Leituras – que traz quatro artigos acerca do hábito de ler em seus mais distintos matizes, e na qual se destacam os textos “Leituras de presença e ausência”, da professora Jerusa Pires Ferreira, e “Leituras da época do modernismo”, de Ruy Galvão de Andrada Coelho –, “Acervo”, “Almanaque” e “Bibliomania”, além de apresentar uma crônica bem-humorada de Olavo Bilac acerca do trabalho e do papel social dos “homens de letras”. “Fantasio” – título do texto bilaquiano – foi garimpado nos arquivos do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) pelo professor Antonio Dimas.

Dossiês – Em meio a tantos artigos de fôlego, a revista, na verdade, terá um carro-chefe: a sua seção Dossiê, que a cada número apresentará uma série de estudos voltados para uma temática ou um evento que marcou data entre os estudiosos do livro. Nesse número de estreia, o dossiê é Paris-Bucarest. “Trata-se da recolha sumária, porém significativa, da produção apresentada em dois importantes colóquios realizados em setembro de 2010”, escrevem os editores na apresentação da revista.

“O Encontro de Paris reuniu pesquisadores franceses, portugueses e brasileiros, tendo resultado em importante projeto de cooperação internacional apresentado no final da seção. O simpósio promovido pela Biblioteca Metropolitana de Bucarest se apresentou como verdadeiro fórum internacional de pesquisa, no qual foram discutidas questões voltadas ao Livro, à Escrita e à Leitura, em diversos domínios do conhecimento.” Nesse dossiê inaugural são apresentados cinco textos, entre eles “A evolução do sistema editorial francês desde a Enciclopédia de Diderot”, do pesquisador francês Jean-Yves Mollier, e “A circulação transatlântica dos impressos: a globalização da cultura no século XIX”, da estudiosa brasileira Márcia Abreu.
O que Livro e o núcleo que a gerou, o Nele, desejam, de fato, não é cerrar fileiras contra aqueles que apregoam o fim do livro como o conhecemos, mas sim mostrar como a convivência pode ser harmoniosa entre os suportes, sem que seja necessário se engendrar uma cruzada livresca. É como escrevem seus editores: “Podemos dizer que o objetivo maior de Livro reside na valorização do suporte impresso diante das mudanças a que temos assistido no campo da produção editorial. A convivência de diferentes suportes de leitura, de natureza totalmente distintas, algo impensável nos primeiros quinhentos anos que marcaram a era de Gutenberg, trouxe à tona uma série de questionamentos concernentes ao direito autoral, às formas de circulação do texto, às práticas de leitura em multimeios, às políticas educacionais etc.

De fato, o advento do texto digital abriu novas possibilidades às velhas formas de transmissão da linguagem escrita e de conservação de seu registro”. E Plinio Martins Filho e Marisa Midori concluem, em seu texto de apresentação à revista: “Todavia, poder-se-ia dizer que à anunciada morte do livro somaram-se vozes que bradaram por sua sobrevivência, em acalorada declaração de amor aos já velhos e surrados códices”.

Fonte: http://espaber.uspnet.usp.br/jorusp/?p=15270

Os livros da Biblioteca Particular de Fernando Pessoa estão disponíveis gratuitamente

Os livros da Biblioteca Particular de Fernando Pessoa estão disponíveis gratuitamente on-line desde dia 11.12.2010 no site da Casa Fernando Pessoa. Até agora, só uma visita à Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, permitia consultar este acervo que é “riquíssimo”, mas com o site bilíngüe (português e inglês) disponível em – http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt – em qualquer lugar do mundo, com uma ligação à Internet é possível consultar, página a página, os cerca de 1140 volumes da biblioteca, mais as anotações – incluindo poemas – que Fernando Pessoa foi fazendo nas páginas dos livros.

Fachada do edifício - Rua Coelho da Rocha, 16 Campo de Ourique - Lisboa

Um universo plural

Inaugurada em Novembro de 1993, a Casa Fernando Pessoa foi concebida pela Câmara Municipal de Lisboa como um centro cultural destinado a homenagear Fernando Pessoa e a sua memória na cidade onde viveu e no bairro onde passou os seus últimos quinze anos de vida, Campo de Ourique.

Possuindo um auditório, jardim, salas de exposição, objctos de arte, uma biblioteca exclusivamente dedicada à poesia, além de uma parte do espólio do poeta (objetos e mobiliário que pertenceram ao poeta e que são atualmente patrimônio municipal), a Casa Fernando Pessoa é um pequeno universo polivalente onde, nos seus três pisos principais, se realizam colóquios, sessões de leitura de poesia, encontros de escritores, espetáculos musicais e de teatro, conferências temáticas, workshops, exposições de artes plásticas, sessões de apresentação de livros, ateliers para crianças, numa programação o mais possível diversificada.

Apresentação

«Sê plural como o universo!» [Fernando Pessoa]

A Casa Fernando Pessoa possui um tesouro único no mundo: a biblioteca particular desta figura maior da literatura. É muito raro conseguir-se encontrar a biblioteca inteira de um escritor com a dimensão universal de Pessoa. Os livros tendem a mover-se muito depressa: emprestam-se, perdem-se, vendem-se. Pessoa também vendeu alguns – mas deixou-nos 1142 volumes, de todos os gêneros e em vários idiomas, densamente anotados e manuscritos.

Entendemos que uma biblioteca desta importância devia tornar-se patrimônio da humanidade – e não apenas dos que podem deslocar-se a esta Casa onde Fernando Pessoa viveu os últimos quinze anos da sua vida.

Graças à dedicação de uma equipa internacional de investigadores coordenada por Jerónimo Pizarro, Patricio Ferrari e Antonio Cardiello foi possível digitalizar, na íntegra, toda a biblioteca. Graças ao apoio da Fundação Vodafone Portugal foi possível colocar online cada uma das páginas digitalizadas. Deste encontro de entusiasmos generosos resultou a disponibilização gratuita da preciosa biblioteca do autor de O Livro do Desassossego, que agora pertence aos leitores em qualquer parte do globo. Procuramos tornar acessível e simples a compreensão da biblioteca no seu todo – que está classificada por categorias temáticas – e a consulta de cada livro. Destacamos páginas que incluem manuscritos do próprio Pessoa – ensaios e poemas escritos nas páginas de guarda dos livros.

Trata-se de uma biblioteca aberta ao infinito da interpretação – bela, surpreendente e instigante, como tudo o que Fernando Pessoa criou. Usufruam-na.

Acesse a Biblioteca Particular de Fernando Pessoa, clicando em: http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt

Casa Fernando Pessoa - Acervo

Horário:

De Segunda a Sábado, das 10h00 às 18h00

Horário da Biblioteca:

De Segunda a Sexta, das 10h00 às 18h00

Entrada livre

Visitas Guiadas para estabelecimentos de ensino

Folheto

Fonte: http://casafernandopessoa.cm-lisboa.pt/

Fortalecendo a imprensa independente e a livre expressão

Uma revista digital que acredita na transformação do Ser

A revista NOVA E (http://www.novae.inf.br) nasceu em 5 de outubro de 1999 e não tem aporte de nenhum grupo financeiro. É um ponto de debate sobre temas hiperlinkados com a sociedade do conhecimento, cibercultura, inclusão digital, comportamento, ativismo de transformação, nova economia, política, cultura, literatura, mídia, filosofia, vida sustentável, ciência, religação, metafísica e cidadania. Conta com produção jornalística própria, na forma de entrevistas, reportagens, matérias especiais e um time de colaboradores e parceiros de primeira linha, que tem como recompensa estar participando dessa iniciativa dentro de avançados conceitos colaborativos: uma iniciativa inédita de open source editorial, em que as idéias ganham novas cores que, somadas inteligentemente a outras, resultam em uma publicação de personalidade surpreendente. Leia a seguir as principais novidades desta semana:

  • Especial

Dissemine WikiLeaks. Seu futuro está em jogo
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1749

  • Por que o mundo precisa do WikiLeaks

Asssista entrevista com o criador Julian Assange
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1754

  • O bom combate

O que está em jogo é a liberdade de expressão na Internet, Chico Villela

http://novae.inf.br/blog/?p=891

  • O 1º preso político global da internet e a Intifada eletrônica

Idelber Avelar – Julian Assange é o primeiro geek caçado globalmente: pela superpotência militar, por seus estados satélite e pelas principais polícias do mundo. É um australiano cuja atividade na internet catupultou-o de volta à vida real com outra cidadania, a de uma espécie de palestino sem passaporte ou entrada em nenhum lugar.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1753

  • Piratas vingadores e espiões em diligência

O caso WikiLeaks tem uma dupla leitura. Por um lado, revela-se um escândalo aparente, um escândalo que só escandaliza por causa da hipocrisia que rege as relações entre os Estados, os cidadãos e a Comunicação Social. Por outro, anuncia profundas alterações a nível internacional e prefigura um futuro dominado pela recessão.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1752

  • A verdade ganhará sempre

Umberto Eco – A WikiLeaks cunhou um novo tipo do jornalismo: o jornalismo científico. Trabalhamos com outros serviços informativos para trazer as notícias às pessoas, mas também para provar que é verdade. Por Julian Assange, publicado no The Australian. Em 1958 o jovem Rupert Murdoch, então proprietário e editor de The News de Adelaide, escreveu: “na corrida entre segredo e verdade, parece inevitável que a verdade ganhe sempre”.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1751

  • Uma revolução começou — e será digitalizada

Umberto Eco – A diplomacia sempre incluiu jantares com as elites dominantes, acertos de bastidores e encontros clandestinos. Agora, na era digital, os relatos de todas estas festas e diálogos aristocráticos pode ser reunido numa enorme base de dados. Uma vez recolhidos em formato digital, é muito fácil compartilhá-los.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1750

  • O que a mídia ainda não viu em WikiLeaks

[Por David Brook] Começo por sugerir que políticos e jornalistas a pedir a cabeça de Julian Assange numa bandeja são como brincadeira de criança para ele. Enquanto todos os olhos rastreiam o misterioso albino internacional, a infraestrutura humana e física de um movimento muito maior e mais amplo, mais difuso, continua a crescer e a consolidar-se bem longe dos holofotes. Se Assange for assassinado amanhã, se todos os servidores de WikiLeaks forem desligados por algumas horas, ou dias, ou para sempre, nada de fundamental de fato mudará.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1748

  • EUA e a “Estratégia dos 5 Pilares”, do Mossad, para o Irã

[Por Farhang Jahanpour] O mais alarmante, no pacote de arquivos recentemente vazados por WikiLeaks, é o quanto os políticos norte-americanos e seus aliados israelenses vivem obcecados com o Irã. Ninguém fala das colônias israelenses na Cisjordânia, na invasão israelense ao Líbano, dos crimes de guerra em Gaza, do ataque à Flotilha da Paz, do arsenal de centenas de ogivas atômicas que se acumulam em Israel. Todos só falam sobre e pensam em e preocupam-se com o enriquecimento de urânio no Irã. É como se o único problema fosse decidir quem – Israel ou os EUA – atacará primeiro o Irã.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1747

  • Wikileaks e os arquivos secretos da guerra afegã

[Antonio Martins] Como uma ferramenta colaborativa da internet revelou o desastre militar que Washington tenta ocultar — e está perturbando poderes econômicos e políticos, ao tornar públicos seus segredos.
http://www.novae.inf.br/site/modules.php?name=Conteudo&pid=1551 

Fonte:  http://www.novae.inf.br/

4o. Seminário de Literatura Fantástica – Grátis!

27, 28 e 29 de agosto

O Fantasticon 2010 – IV Simpósio de Literatura Fantástica reúne pessoas interessadas em Literatura Fantástica (ficção científica, fantasia e horror) para que elas possam se encontrar, debater idéias, trocar informações, levantar tendências e se divertir.

A proposta é incentivar o debate e enriquecer o estudo sobre o Fantástico no Brasil. Para isso, contaremos com palestras, mesas-redondas, oficinas, mostra de filmes, exposições, lançamentos, sessões de autógrafos e muita confraternização!

O Fantasticon 2010 é organizado por Silvio Alexandre, em uma realização da Biblioteca Pública Viriato Corrêa, do Sistema Municipal de Bibliotecas e da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Com o apoio da Fly Cow Produções Culturais, revista Movie, Cálamo Editorial, GELF (Grupo de Estudos de Literatura Fantástica), Moonshadows Livraria, Universidade Anhembi Morumbi e da TV Cronópios.

Programação

Sexta-feira – dia 27 de agosto

19h às 21h – ABERTURA OFICIAL

Palestra: “o Fantástico e a Literatura BRASILEIRA”

O acadêmico Moacyr Scliar irá abordar como sua obra é marcada pelo flerte com o imaginário fantástico. Comentará sobre a existência de elementos mitológicos na Literatura Fantástica, para aludir a problemáticas humanas que permanecem na contemporaneidade, desde os primórdios da existência humana.

  • Moacyr Scliar é escritor e médico especialista em saúde pública. Autor de mais de quarenta livros, dentre ensaios, crônicas, contos e romances, que obtiveram diversas honrarias e prêmios. Algumas delas foram  publicadas na Inglaterra, Rússia, República Tcheca, Eslováquia, Suécia, Noruega, França, Alemanha, Israel, Estados Unidos, Holanda e Espanha e em Portugal, entre outros países. Desde 2003 ocupa a Cadeira nº 31 da Academia Brasileira de Letras.

SÁBADO – dia 28 de agosto

11h às 13h – Oficina: “O ESCRITOR: PESQUISA E CRIAÇÃO LITERÁRIA”

A idéia desta oficina é mostrar a importância da pesquisa nas diversas etapas de criação literária. Além de apresentar a sua necessidade e importância, a proposta é ensinar técnicas e mecanismos de como fazer uma pesquisa para escrever uma boa história. Mostrar como produzir um bom texto e como torná-lo verdadeiro para o leitor. Serão apresentados exemplos e estudos de casos, além da análise de ferramentas e processos que facilitem a forma de fazer uma pesquisa mais completa e sem enganos, seja na literatura mainstream, seja na literatura fantástica

  • Sérgio Pereira Couto é jornalista e escritor. Colabora regularmente com revistas de história e sites especializados no assunto. É autor de 35 livros, com mais de cem mil exemplares vendidos somente no Brasil, entre eles os romances ”Sociedades Secretas”, “Investigação Criminal” , ”Renascimento” e “Help – A Lenda de Um Beatlemaníaco”. Atualmente,  é editor da revista “Leituras da História”.
  • Gianpaolo Celli é escritor e editor, além de administrador de empresas. Tem se dedicado ao estudo de ocultismo, esoterismo e mitologia. É colunista do site de neopaganismo “Tribos de Gaia”; co-autor da coleção Necrópole: “Histórias de Vampiros” (2005), “Histórias de Fantasmas” (2007) e “Histórias de Bruxaria” (2008); das coletâneas “Visões de São Paulo – Ensaios Urbanos” (2006) e “Paradigmas, volume 3″ (2009), e co-editor e co-autor dos livros “Histórias do Tarô” (2008) e “Steampunk” (2009).

11h às 12h – Mesa-redonda: “CAIXA DE PANDORA: EXISTE ESPERANÇA PARA A LITERATURA FANTÁSTICA NO BRASIL?”

Bate papo sobre as tendências e desafios da Literatura Fantástica no Brasil que está aparecendo no atual cenário cultural. Uma nova geração de escritores do gênero está surgindo a cada dia e produzindo como nunca. Afinal, por que está havendo um aumento da produção de Literatura Fantástica no Brasil? Quais os gêneros mais explorados? Quais tendências estão aparecendo?

  • Adriano Siqueira é diagramador e design gráfico. É consultor de novos sites sobre vampiros, ministra palestras, participa de exposições, e atualmente produz curtas metragens e radionovelas sobre vampiros. Organizador do zine “Adorável Noite – Contos de Vampiros e Terror”. Participou das antologias “Amor Vampiro”, “Draculea – O Livro Secreto dos Vampiros”, “Metamorfose A Fúria dos Lobisomens” e “Tratado Secreto de Magia”.
  • J. Modesto é formado em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Belas Artes. Autor dos romances “Trevas” e “Anhangá – A Fúria do Demônio”; e participou da antologia “Amor Vampiro”. todos pela Giz Editorial. Com os escritores Nelson Magrini e James Andrade, criou o site Fontes da Ficção, voltado para o incentivo e a divulgação da Literatura Fantástica. Atualmente prepara o lançamento de seu terceiro livro, previsto para o 2º semestre de 2010.
  • J. P. Balbino é músico e escritor. Autor do livro ”A Seita do Caos” (All Print). Publicou seus contos em diversas antologias, como ”Retalhos” (Andross), “Contos – Coletânea All Print”. e como autor convidado em “Draculea – O Livro Secreto dos Vampiros” (All Print).É editor de um dos sites mais importantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro: www.forumdeliteratura.com.
  • Nelson Magrini é engenheiro mecânico, estudioso e pesquisador em Física, com ênfase em Mecânica Quântica e Cosmologia. É escritor, professor e consultor de Gestão Empresarial e Cadeira Logística. É autor dos romances “Anjo: A Face do Mal” e “Relâmpagos de Sangue”, ambos da Editora Novo Século; do conto Isabella, na coletânea “Amor Vampiro” e do romance “Os Guardiões do Tempo” ambos pela Giz Editorial.
  • Roberto de Sousa Causo é formado em Letras pela USP> Autor do livro de fantasia “A Sombra dos Homens” (Devir); dos romances “A Corrida do Rinoceronte” e Anjo de Dor”, pela Devir; e do estudo “Ficção Científica, Fantasia e Horror no Brasil” (UFMG). Organizou as antologias “Rumo à Fantasia” .”Os Melhores Contos Brasileiros de Ficção Científica”, ambas pela Devir, entre outras. Seus contos apareceram em revistas e livros de dez países.

12h30 às 13h30 – Bate-papo: “O MERCADO EDITORIAL DE LITERATURA FANTÁSTICA NO BRASIL”
Conversa com quem toma as decisões no mercado editorial brasileiro. Participação dos editores do gênero fantástico com novidades, informações e curiosidades do mundo editorial de hoje.

  • Adriano Fromer Piazzi, diretor editorial da Editora Aleph
  • Douglas Quinta Reis, diretor editorial da Devir
  • Daniela Padilha, editora da DCL – Difusão Cultural do Livro
  • Ednei Procópio, diretor editorial da Giz Editorial
  • Richard Diegues, diretor editorial da Tarja Editorial
  • Erick Santos diretor editorial da Draco Editora

14h às 15h – Bate-papo: “O FANTÁSTICO E A LITERATURA MAINSTREAM”

A literatura brasileira contemporânea não se resume apenas ao mainstream, a tradicional ficção realista, legitimada pelos círculos acadêmicos. Ou seja, existem diversas manifestações e outras correntes além da corrente principal. Entre elas a ficção científica, a fantasia e o terror onde o conteúdo é muito mais importante do que a forma, que deve estar a serviço do enredo, da trama, da história.

  • Jeanette Rozsas é, além de contista e romancista, diretora da União Brasileira de Escritores (UBE). Tem trabalhos publicados em revistas literárias do Brasil e do exterior e colabora com os principais sites de literatura. Publicou, entre outros, os romances As sete sombras do gato (Idea Editora) e Morrer em Praga (Geração Editorial), selecionados pelo Projeto de Apoio Cultural da Secretaria de Estado da Cultura. Seu romance biográfico Kafka e a marca do corvo (Geração Editorial), já está na segunda edição e vem recendo o aplauso da crítica especializada.
  • Ademir Assunção é poeta, escritor, jornalista e letrista de música. Foi editor-assistente do caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo e editor-contribuinte da revista Marie Claire. Publicou, entre outros títulos, as coletâneas LSD nô (1994), A máquina peluda (1997), Zona Branca (2000) e o romance Adorável criatura Frankenstein, (2003). Lançou também o CD de poesia e música Rebelião na Zona Fantasma (2005), pelo selo Zona Branca Rebeliões Artísticas. É um dos editores da revista literária Coyote.
  • Felipe Pena é jornalista, escritor, psicólogo, professor da Universidade Federal Fluminense, doutor em Literatura pela PUC-Rio e pós-doutor em semiologia pela Université de Paris/Sorbonne III. Foi professor visitante da Universidade de Salamanca (Espanha), Sub-Reitor da Universidade Estácio de Sá, repórter da TV Manchete e comentarista da TVE-Brasil. É autor de oito livros na área acadêmica e dos romances “O analfabeto que passou no vestibular” (7Letras) e O marido perfeito mora ao lado (Record).
  • Luiz Roberto Guedes é publicitário, poeta e tradutor, além de autor dos livros Alguém para amar no fim de semana (contos), O mamaluco voador (romance), Armadilha para lobisomem (romance) e Calendário lunático (poemas), entre outros. Dos prêmios que recebeu destacam-se o da Cidade de Belo Horizonte e o do Concurso Nacional de Contos promovido pela revista Scarium. Teve textos estampados nas principais publicações literárias do país.
  • Nelson de Oliveira é escritor e doutor em Letras pela USP. Publicou mais de vinte livros, entre eles Poeira: demônios e maldições (romance), A oficina do escritor (ensaios), A maldição do macho (romance, publicado também em Portugal) e O filho do Crucificado (contos, também lançado no México). Em 2001 organizou a antologia Geração 90: manuscritos de computador e em 2003, Geração 90: os transgressores, com os melhores prosadores brasileiros surgidos no final do século 20. Atualmente coordena o Projeto Portal, de narrativas de ficção científica.

Dia 28 – Sábado – 15h às 16h – Celebração: “Projeto Portal”

O Projeto Portal, coordenado por Nelson de Oliveira, é uma revista de contos de ficção científica com periodicidade semestral. Cada número da revista homenageia, no título, uma obra célebre do gênero: já foram lançados o Portal Solaris, o Portal Neuromancer, o Portal Stalker e o Portal Fundação.

O Projeto Portal realizará uma celebração para lançar o Portal 2001, com a presença dos autores, que conversarão com o público e sortearão exemplares da revista.

Portal 2001, o quinto número do Projeto, traz contos inquietantes que vão do universo da ficção científica ao do fantástico, passando pelo da fantasia. São 31 narrativas sobre novas tecnologias, viagens no tempo, ciberespaço, telepatia, contatos imediatos do terceiro grau, pós-apocalipse, pós-humano, utopias e distopias, de dezesseis autores contemporâneos.
Os contistas são: Braulio Tavares, Brontops Baruq, Claudio Parreira, Daniel Fresnot, Delfin, Luiz Bras, Marcelo Bighetti, Marco Antônio de Araújo Bueno, Maria Helena Bandeira, Mayrant Gallo, Mustafá Ali Kanso, Ricardo Delfin, Roberto de Sousa Causo, Rodrigo Novaes de Almeida, Rogers Silva e Sid Castro.

15h30 às 16h30 – Mesa-redonda: “VOZES FEMININAS NA LITERATURA DE VAMPIRO”

O crescimento no Brasil da chamada literatura de vampiros é um dos fenômenos mais notáveis da literatura fantástica atual. Os livros de vampiros estão fazendo mais sucesso do que nunca. E suas vendas batem recordes atrás de recordes. Um aspecto que chama a atenção é a  grande produção de mulheres que escrevem sobre o tema.

  • Flávia Muniz é escritora e pedagoga. Tem mais de 60 obras publicadas, mais de 3 milhões de livros vendidos. Com duas obras traduzidas, outras adotadas em Programas de governo, recebeu prêmios como o APCA de Melhor Livro juvenil, além de ter sido finalista do Jabuti com dois títulos. Seus livros juvenis “Os Noturnos”, “Viajantes do Infinito”, “Sallen 777″, “Manual dos Namorados”, “Uma sombra em ação” e “Fantasmagorias” (no prelo), já se consolidaram entre os leitores nas escolas de todo o país. Além de escrever e criar, atua no ramo editorial e de entretenimento, realizando adaptações de obras, criando jogos, revistas, roteiros de TV e conteúdos para sites.
  • Giulia Moon é escritora e publicitária. Publicou três coletâneas de contos: “Luar de Vampiros” (Scortecci), “Vampiros no Espelho & Outros Seres Obscuros” (Landy) e “A Dama-Morcega” (Landy). Lançou em 2009 o romance “Kaori: Perfume de Vampira” (Giz Editorial). Participou, entre outras, da coletânea  “Amor Vampiro” (Giz Editorial), “Território V” (Terracota) e “Meu Amor é Um Vampiro” (Draco). Edita o fanzine FicZine e é co-editora da revista “Scarium Megazine”.
  • Laura Elias é economista, articulista, palestrante e escritora. Escreveu 35 livros que vão do infanto-juvenil ao romance, passando também pelo suspense e terror. Até 2007 assinava suas obras com pseudônimos variados, sendo Loreley Mckenzie o mais conhecido deles. Atualmente dedica-se ao terceiro livro da saga “Red Kings” (Editora Mythos), uma série sobre vampiros e rock’n’roll, provisoriamente intitulado “Luz da Noite”. Os outros dois volumes são Crepúsculo Vermelho (2009) e Lua Negra, que está sendo lançado. Outros quatro títulos estão em fase de finalização pela editora e deverão sair ainda este ano.
  • Martha Argel é escritora e bióloga com doutorado em Ecologia de Aves. Entre vários livros de ficção e não-ficção, escreveu “Relações de Sangue”, que está sendo relançado pela Giz Editorial, e “O Vampiro da Mata Atlântica” (Idea). Participou da antologia “Amor Vampiro” (Giz), entre outras,  e organizou, com Humberto Moura Neto, a antologia crítica ”O Vampiro Antes de Drácula” (Aleph), além de ter colaborado em livros científicos, técnicos e didáticos.
  • Nazareth Fonseca é autora da saga “Alma e Sangue, iniciada com “O Despertar do Vampiro” (Aleph) e que prossegue em ”O Império dos Vampiros” (Aleph). Escreveu também “Kara e Kmam”, e publicou contos nas coletâneas Necrópole: Histórias de Bruxaria” e “Anno Domini”. Atualmente mora em Natal, Rio Grande do Norte.

17h às 18h – Palestra: “O FANTÁSTICO EM  GUIMARÃES ROSA”

O fantástico foi a primeira opção literária de Guimarães Rosa, fruto de suas leituras de juventude.

Mais tarde, ele decidiu esquecer a literatura de gênero, e criar um gênero literário próprio, alargando os limites do romance regionalista dos anos de 1930. Entretanto, toda a sua obra está baseada num plano mágico-fantástico, fruto do seu profundo misticismo pessoal.  Entre os seus contos há histórias de feitiçarias, assombrações, aparições sobrenaturais, e pelo menos um deles, “Um moço muito branco”, é uma autêntica narrativa de ficção científica.

  • Bráulio Tavares é escritor, roteirista e compositor. Compilou a primeira bibliografia do gênero: o Fantastic, Fantasy and Science Fiction Literature Catalog (Fundação Biblioteca Nacional). Autor de “A Espinha Dorsal da Memória”, “A Máquina Voadora” e “Anjo Exterminador” (todos pela Rocco). Organizou as antologias “Freud e o Estranho”, “Contos Fantásticos no Labirinto de Borges” e “Páginas de Sombra” (todos pela editora Casa da Palavra). Publicou em 2008 o estudo “A Pulp Fiction de Guimarães Rosa” (Ed. Marca de Fantasia).

DOMINGO – dia 29 de agosto

11h às 13h – Oficina: “COMO MONTAR A ESTRUTURA DE UM ROMANCE DE FANTASIA”

André Vianco, o mais consagrado escritor da atualidade do gênero fantástico abre o jogo, dá dicas e informações sobre como criar e montar uma estrutura para a compor um romance de fantasia. Uma oportunidade rara!

  • André Vianco é autor dos best sellers “Os Sete” e “Sétimo”, que explora o universo sobrenatural (vampiros, lobisomens, anjos e batalhas entre o bem e o mal) elaborando um cenário surrealista, mas com elementos da realidade do dia-a-dia e histórias passadas no Brasil. É hoje o escritor brasileiro que mais conquista leitores de fantasia & horror e seus livros estão entre os mais vendidos na literatura fantástica brasileira.

11h às 12h – Palestra: “HISTÓRIA ALTERNATIVA: AS DIVERSAS ENCRUZILHADAS”

A proposta da palestra é explicar o que é História Alternativa, também conhecida como ucronia ou história contrafactual. De que forma contos, romances, filmes e ensaios históricos ou econômicos podem especular sobre como a história do Brasil e da humanidade poderiam ter sido diferentes. A História Alternativa se dedica a recontar a história, ou seja, o que seria do mundo se determinado acontecimento histórico tivesse ocorrido de modo diferente do que de fato se deu?

  • Gerson Lodi-Ribeiro é escritor. Autor de O Vampiro de Nova Holanda(Caminho), ”Outros Brasis” (Mercuryo), ”Taikodom: Crônicas (Devir), Xochiquetzal – uma Princesa Asteca entre os Incas (Draco), entre outros. Trabalha desde 2004 como consultor da Hoplon Infotainment, sendo um dos criadores do universo ficcional do jogo onlineTaikodom”. Está lançando “Vaporpunk”(Draco), uma coletânea de histórias steampunk que reúne brasileiros e portugueses.

12h30 às 13h30 – Mesa-redonda: “MULTIMEIOS: ALTERNATIVAS PARA A LITERATURA FANTÁSTICA”

Uma discussão para muito além do papel. As diversas plataformas de midia como ferramenta de divulgação e produção da literatura fantástica. Quais as possibilidades de utilização de blogs, sites, mídias sociais, podcast e todos os mecanismos da internet. Conheça também o mercado editorial e a comunidade de escritores em outros países.

  • Eduardo Sphor é escritor e jornalista. Participa do podcast do site Jovem Nerd e gerencia o selo NerdBooks, voltado à literatura fantástica. É professor da Faculdade Hélio Alonso (RJ), onde ministra o curso “Estrutura Literária – A Jornada do Herói no Cinema e na Literatura”. Está lançando o romance “A Batalha do Apocalipse” (Record/Verus).
  • Christopher Kastensmidt é escritor, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e diretor de criação da Ubisoft, uma das maiores empresas de video game do mundo. Membro da SFWA (Science Fiction and Fantasy Writers of America), tem contos publicados em sete países.
  • Luiz Ehlers é engenheiro químico. Participou da antologia “Marcas na Parede” (Andross). Atualmente é o editor chefe da Revista FANTÁSTICA e trabalha no inédito “A Divindade das Chamas Gêmeas”. Exibe seus textos no blog Perguntas e Respostas. Reside em Porto Alegre-RS
  • Tiago Castro é diretor de arte e estrategista digital, colunista do site Fontes da Ficção. Idealizador do projeto Universo Insônia, também edita o blog “Ideias com Café”, onde fala sobre propaganda, internet, ideias e outros assuntos relacionados.

14h às 15h – Palestra: “CONTOS DE FADAS: FANTASIAS DIVERTIDAS E HISTÓRIAS ESCABROSAS”.

Os Contos de Fadas são narrativas folclóricas, histórias profanas muitas vezes derivadas de mitos, histórias sagradas. Existem em todas as civilizações e culturas, e viajaram de um canto do mundo para outro, mudando de forma porém mantendo vivos os arquétipos que os formaram e que falam ao que existe de mais profundo na natureza humana. Originalmente, não eram histórias infantis. Na verdade, suas versões mais antigas são cheias de crueldade, violência, incesto, traições e mortes.

O GELF irá promover uma leitura compartilhada, onde serão feitas leituras de trechos de contos muito antigos, para a análise e discussão de alguns fatos escabrosos, tenebrosos e sangrentos que são tão comuns nessas narrativas, e que foram “expurgados”, “pasteurizados” em adaptações mais modernas.

  • · GELF (Grupo de Estudos de Literatura Fantástica), coordenado pela escritora Rosana Rios, que se dedica a discutir, apreciar e divulgar obras literárias de literatura fantástica (ficção científica, fantasia e horror) suas interações e obras precursoras, além de comentar transposições para cinema, teatro, televisão e quadrinhos.

16h às 17h – Fantastiquinha: “HISTÓRIAS FANTÁSTICAS”

E a criançada também tem vez! Atividade com o Grupo Cantando Histórias. Com Dorotilde e os músicos Beto Rodrigues e Marcela Faust.

Será que as bruxas são mesmo sempre malvadas e as princesas, sempre boazinhas? Quando apaga a luz, tem algum bicho papão escondido? Venha conferir essas e outras histórias fantásticas que serão narradas em meio a músicas e atividades lúdicas para toda a família.

15h30 às 16h30 – Bate-papo: “PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O GÊNERO FANTASIA NO BRASIL”

Será possível para o autor brasileiro escrever contos ou romances do gênero Fantasia, no qual se misturam elementos fantásticos como elfos, anões, magos, criaturas mitológicas etc. com ambientações histórias e contemporâneas? Como trabalhar nossos mitos nacionais (curupira, saci etc.) para criar uma fantasia com genética brasileira?

  • Eric Novello é escritor, tradutor e roteirista. Autor do romance histórico “Dante – O Guardião da Morte” (Ed. Novo Século), e do romance de humor “Histórias da Noite Carioca” (Ed. Lamparina). Está lançando o romance de fantasia urbana “Neon Azul” (Draco).
  • Douglas MCT é escritor e designer gráfico. Atualmente, atua como roteirista de games, quadrinhos, animações, filmes e seriados. Escreveu para os quadrinhos da Turma da Mônica e publicou nas coletâneas Anno Domini (2008), Território V (2009) e Imaginários 3 (2010).
  • Walter Tierno é ilustrador, jornalista e publicitário. Formado em Artes Gráficas pelo Senai, atualmente é diretor de arte de uma agência de propaganda. Está lançando o livro de fantasia “Cira e o Velho” (Giz Editorial).
  • Raphael Draccon é roteirista profissional e autor de literatura fantástica contemporânea, ficção de horror e romances sobrenaturais. É o autor mais jovem a assinar com os braços nacionais de duas das maiores holdings editoriais do mundo (Planeta e LeYa), e roteirista premiado pela American Screenwriter Association. Está lançando o romance “Dragões de Éter – Círculos de Chuva” (LeYa).

17h às 18h – Palestra: “O REALISMO MÁGICO DE MURILO RUBIÃO”
O Realismo Mágico é uma característica própria da literatura latino-americana da segunda metade do século XX que funde a realidade narrativa com elementos fantásticos e fabulosos. Floresceu nos anos 1960 e 1970, enraizado nas discrepâncias surgidas entre cultura da tecnologia e cultura da superstição, e em um momento em que o auge das ditaduras políticas converteu a palavra numa ferramenta infinitamente apreciada e manipulável. Murilo Rubião é o maior exemplo de Realismo Mágico no Brasil.

  • Flavio García é professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e do Centro Universitário Augusto Motta. Também coordena o Seminário Permanente de Estudos Literários da UERJ e o Publicações Dialogarts. É líder do Grupo de Pesquisa (Diretório CNPq) “Estudos Literários: Literatura; outras linguagens; outros discursos”. Atualmente, tem se dedicado às reflexões sobre o Insólito na narrativa ficcional. É sócio atuante da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa (ABRAPLIP) e da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC). Organizou o livro O Insólito e seu Duplo (EdUERJ, 2009), com Marcus Alexandre Motta.

18h às 18h30 – SARAU: EMBARQUE NO SHOW-LIVRO

A Música Popular Brasileira e o Rock Nacional têm como tema o fantástico e o maravilho em centenas de suas letras. A literatura fantástica nacional em sua musicalidade é descendente direta das histórias para se ler em voz alta ao redor da fogueira, de viola na mão. O Show-Livro irá mesclar esses dois mundos: música e literatura fantástica. E levar todos os presentes por conexões litero-musico-temáticas nunca dantes navegadas. Murilo Rubião, Guimarães Rosa, Braulio Tavares, Raul Seixas e outros convidados ilustres, daqui e doutros mundos, distorcidos por:
Deise Sales no vocal e nos sonhos
Marcelo Barfer na guitarra, no violão e no terror
Tiago Araújo no baixo e na insanidade
Thiago Camargo na percussão e nas invocações
Claudio Brites na voz e nos arquétipos

EXPOSIÇÃO – a partir das 11 horas

Painel comemorativo: “JERONYMO MONTEIRO: PAI DA FICÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA”

Pouco conhecido do público (e até mesmo da crítica), o escritor Jeronymo Monteiro (1908-1970) é um marco fundamental da Literatura Infantil, assim como do rádio-teatro, foi o criador do primeiro detetive brasileiro e da primeira série policial e, acima de tudo, é considerado um precursor da Literatura Brasileira de Ficção Científica.

De um ponto de vista cronológico, chamar Jeronymo Monteiro de “Pai da Ficção Científica Brasileira” é uma afirmação, embora generosa, inexata. Entretanto, se ele não foi o precursor único e sublime da FC brasileira, ocupa com certeza, um lugar de fundamental importância em sua gênese, merecendo assim tal classificação, já que foi sua imaginação antecipadora que viu na ficção científica, segundo suas próprias palavras, “o mais amplo gênero literário que já se criou na literatura universal”.

LANÇAMENTOS DE LIVROS

# Anjos, Mutantes e Dragões, de Ivanir Calado (Devir)

# A Batalha do Apocalipse, de Eduardo Spohr (Verus/Record)

# Cira e o Velho, de Walter Tierno (Giz Editorial)

# Os Contos Obscuros de Edgar Allan Poe, de Braulio Tavares (Casa da Palavra)

# Contos Proibidos do Sr. Arcano, de Sr. Arcano (Multifoco)

# Cyberpunk – Histórias de um Futuro Extraordinário, antologia (Tarja)

# Dragões de Éter – Círculos de Chuva, de Raphael Draccon (LeYa)

# Duna, de Frank Herbert (Aleph)

# Eclipse ao pôr do sol e outros contos fantásticos, de Antonio Luiz M. C. Costa (Draco)

# Imaginários 3, Erick S. Cardoso (org) (Draco)

# Kara e Kmam – Segredos de Alma e Sangue,  de Nazarethe Fonseca (Aleph)

# Lua Negra, de Laura Elias (Editora Mythos)

# Memórias Desmortas de Brás Cubas, de Pedro Vieira (Tarja)

# Neon Azul, de Eric Novello (Draco)

# Nômade, de Carlos Orsi Martinho (Autores Associados)

# Relações de Sangue, de Martha Argel (Giz Editorial)

# Sangue de Lobo, de Rosana Rios e Helena Gomes (Editora DCL)

# Sombras e Sonhos, de Álvaro Domingues (Balão Editorial)

# A Tríade, de Carlos Andrade, Claudio Brites e Octávio Cariello e Kizzy Ysatis (Terracota)

# Vaporpunk, de Gerson Lodi-Ribeiro e Luis Filipe Silva (orgs.) (Draco)

TV CRONÓPIOS: “FANTASTICON 2010″ AO VIVO

Novamente, teremos a cobertura jornalística da TV Cronópios ( www.tvcronopios.com.br ), que transmitirá ao vivo toda a programação do Fantasticon 2010. A TV Cronópios é um canal online de literatura e arte que transmite entrevistas com escritores em eventos, coberturas de lançamentos literários e reportagens gravadas no local de trabalho ou na casa de escritores.

Criado em 2005, o portal Cronópios ( www.cronopios.com.br ) é um projeto com o intuito de mapear e fomentar a literatura contemporânea brasileira, em todas as regiões do país. Tem 40 colunistas fixos, que são escritores premiados de várias gerações literárias, e de diversas regiões do país, assim como de outros países: Espanha, México, Uruguai, Argentina e Angola. O site movimenta hoje cerca de 2 milhões de PageViews ao mês.


ENDEREÇO DO FANTASTICON 2010

BIBLIOTECA PÚBLICA VIRIATO CORRÊA – TEMÁTICA EM LITERATURA FANTÁSTICA

Rua Sena Madureira, 298 – Vila Mariana – 04021-050 São Paulo – SP
Tel.: 11 5573-4017 e 11 5574-0389

ENTRADA FRANCA

1) Não é necessário se inscrever antecipadamente.
As senhas, para todas as atividades, serão distribuídas com 1h de antecedência, obedecendo à capacidade de lotação:
101 lugares na Sala Luiz Sérgio Person e 40 lugares no Espaço Temático de Literatura Fantástica.

2) As Oficinas serão ministradas no Espaço Temático.

As vagas são limitadas.

3) A exposição estará no andar térreo da Biblioteca durante todo o evento.

COMO CHEGAR DE METRÔ NA BIBLIOTECA VIRIATO CORREA:

é só tomar o Metrô (Linha Azul) no sentido Jabaquara, e descer na estação Vila Mariana, na saída ao lado do colégio Madre Cabrini. Seguindo-se a rua Madre Cabrini por dois quarteirões, chega-se à Av. Sena Madureira, bem no quarteirão da Biblioteca.

Fonte: www.bibliotecas.sp.gov.br